Achados e Mimos de Julho

Êta julho que parecia não ter fim! Se você me segue no instagram, já viu que o mês teve um monte de coisinhas, gosto de resumir aqui num post. Começando com as coisinhas que comprei ou achei por aí:





Ando louca para começar a bordar, até comprei um pouco de material, e preciso só de tempo e paciência para começar. Eu sempre bordei muita lantejoula e miçanga de figurino, mas com bordado livre não tenho experiência, vou tentar aqui na intuição, mas quero muito fazer alguma oficina para os primeiros passos. Ando louca pelos trabalhos do Clube do Bordado, acho uma lindeza ♥



Eu e boy somos um perigo na loja de brinquedos. Estes star wars + angry birds estavam em promoção e a gente não resistiu, e eles são tão fofinhos! Ficam na cama fazendo papel de almofada nerd. 


Não sou nenhuma herdeira de fazendas de café, mas na cidade de Limeira tem esse café Kühl, e toda vez as pessoas me perguntam se tenho algo a ver com eles. Na verdade, não conheço, mas o café é bom e ainda por cima eles ensinam a dizer meu nome, pois em algum lugar da embalagem está escrito "Diga Kil", hahaha. 

Sou muito mimada e vivo ganhando coisinhas das migas, e este mês foi recheado deste tipo de mimos:



A Mércia do Tilar (já viram nossas aventuras no youtube?? corre lá!!) fez essa aquarela fofíssima pra mim e tava com dó de mandar pelo correio, mas me entregou num envelope super correio elegante. Eu derreti de fofura, quero colocar numa moldurinha aqui no cafofo.

 
Também da Mércia ganhei esta golinha de perólas que ela tá fazendo! Breve em um bazar perto de vc ♥



Logo que cheguei de viagem no começo do mês, tinha este postal da minha amiga Flá, com quem estou em um projeto de Arte Postal. Deu vontade de fazer outra tatuagem com esse desenho!




Ganhei estas mudinhas de suculentas da minha depiladora - sim, apesar da obrigação ingrata que me faz cliente dela, é sempre muito amor conversar com ela, que tem um jardim de dar inveja. Quando fui fazer a sobrancelha (e o buço, pra que esconder né?) este mês, ela me deu estas lindezinhas que replantei aqui no meu cantinho. 


Parte internacional dos mimos e achados! No começo do mês, eu fui pra Argentina com a minha família (tem post e outro vídeo no forno com dicas e roteiro, aguardem) e eu não comprei muita coisa, achei tudo meio caro, mas estes foram alguns regalitos: 



Essa latinha eu dei de presente pra minha sogra, com alguns docinhos - não, meus favoritos não são os alfajores, são as vaquitas e os bocaditos, que são como dadinhos de doce de leite, queria ter comprado uma caixa deles. 




Pra mim mesma eu comprei este set de carimbos de insetos, esta pulseira "artistinha" com o Magritte, um apontador de lego (o caderno eu já tinha, foi presente) e um chaveirinho de matrioska. Bem artsy e bem contidas minhas comprinhas - ai que conceito, ai que loucura.


Fomos na lojinha Mamuska lá em Buenos Aires (tem uma no shopping ao lado do cemitério da Recoleta) mas o atendimento foi bem chatinho, então não comprei o tanto de coisas que achava que eu ia querer, só levei esse chaveirinho mesmo. 

As canetas a minha amiga sócia achou em uma loja de antiguidades em Budapeste (meu destino mais ♥ da vez). Ela foi para Praga em um evento de cenografia e figurino em Praga, e também me trouxe estes flyers e catalógos de lá, sou colecionadora desse tipo de coisa e amei: 


Estes foram meus mimos e achados em julho. 
E você, o que andou encontrando por aí ? Me conta nos comentários =)

3 séries de boa para curtir

Semana final de julho, clima frio, chuvinha, nevóa .... O convite perfeito para se afundar em edredons vendo séries e não sair nunca mais. Estou meio viciada ultimamente nas produções originais do NetFlix, mas também em várias outras séries que tem para assistir por lá, e percebi que elas tinham algo em comum: são leves, às vezes até meio fofas, com uma pontadinha de crítica e mulheres fortes em papéis chave - categoria clichezona, modo de dizer, tá ? Então fiz uma seleção das minhas séries favoritas no estilo de boinhas, para dividir com vocês. Vamos lá ;)

Unbreakable Kimmy Schmidt 


Com um primeiro episódio/abertura geniais, esta série conta a história de Kimmy, presa em um abrigo durante 15 anos. Quando é libertada, já nos seus pós 25 anos, ela perdeu completamente todos os acontecimentos de cultura pop do final dos anos 90 e toda a década de 2000 - o que gera cenas muito engraçadas com referências pop, como quando ela encontra o cenário de Friends ou ouve uma música da Katy Perry cantada à capela. A vida de Kimmy é só roubadas, insegurança e falta de noção - como não ser/amar ? Mesmo que você não tenha passado sua adolescência em um abrigo, impossível não se identificar com toda a saga da mocinha nova e caipira na cidade grande, algo como "estou aqui, e sou nova, e não sei o que vou fazer com a minha vida", que também é o ponto de partida de Girls, da HBO, série que simplesmente não consigo engolir, por pura falta de empatia com as personagens. Kimmy está longe de ostentar bandeiras revolucionárias ou feministas, mas toca de leve em várias questões como racismo e diferenças sociais, com humor e de um jeito muito mais sutil que outras produções, mas ainda assim está lá, você sente a alfinetada. Sem contar que a ideia/produção executiva é da Tina Fey.


Parks and Recreation


Qualquer pessoa que já tenha tentado fazer algo a partir do serviço público com boas intenções e boa vontade (seja como funcionário público, contratado, cidadão) se identifica na hora com Leslie Knope, interpretada por Amy Poehler. A séries às vezes tem um formato meio de documentário, cada hora pela ótica de um de seus personagens, todos hilários. O elenco é muito bom, e foi lá que eu vi pela primeira vez o Aziz Ansari (eu não gosto de stand up comedy, mas adorei o dele, vale muito a pena ver), Rashida Jones e Chris Pratt - sim, o bonitinho de Guardiões da Galáxia, só que aqui todo nerd e gordinho, um dos melhores personagens. Fora a dupla de mal humorados para amar, April e Ron Swanson, que tem as melhores tiradas sobre socializar com pessoas - ou ainda, sobre odiar socializar com pessoas.  

Na dúvida, aja como Ron

Frankie and Grace


Muita gente achou sem graça, mas eu fiquei simplesmente apaixonada com tanta delicadeza para falar sobre temas como divórcio, trabalho e sexo na terceira idade, conflitos familiares e por aí vai. A série tem ótimos momentos de humor, mas a parte do drama e do coração partido é tão doída e tão bem feitinha, impossível de você não identificar com alguma fossa sua. O enredo é sobre duas mulheres que mal se suportam e se vêem obrigadas a conviver, quando seus maridos, amigos de vários anos, finalmente decidem se separar para viver um romance gay. Só que Frankie (Lily Tomlin) é uma hippie tranquilona toda alternativa, e Grace (Jane Fonda) é uma senhora  toda peruona e certinha, e os momentos de convivência entre as duas são hilários. O trabalho das atrizes protagonistas é simplesmente maravilhoso, as duas lindíssimas, e eu quero me vestir e ser a Frankie, até comprei uns brincos meio hippies depois de assistir a série toda. 


E vocês, já viram alguma dessas séries, o que acharam ?
Tem alguma outra nesse esquema para me indicar ?

O que eu descobri tentando montar um armário cápsula

Não sei se você já ouviu falar em armário cápsula, mas é algo que tem pipocado no meu feed e na minha timeline nos últimos tempos. O conceito é basicamente separar um número determinado de peças para usá-las por um período determinado de tempo, sem comprar ou adicionar outras peças à sua seleção. Fiquei com vontade de tentar esta experiência, principalmente para ser feliz com as coisas que tenho e desenvolver minha imagem/estilo pessoal. Pra mim, a graça desta brincadeira é aprender a coordenar e usar mais as peças com cores e formas que me vestem bem e me fazem sentir muito bem.

Claro, tem toda a coisa sustentável de manter um número baixo de peças e fazer boas escolhas, comprar menos e melhor, só aquilo que eu realmente preciso, mas já sou meio assim, não por sabedoria fashion, mas por ser pão dura e por pura falta de grana pra torrar livremente. Venho tentando desenvolver meu consumo consciente de roupas ao longo dos anos com listinhas de prioridades, mas sem olhar para o problema de verdade.


Não sei vocês, mas minha maior dificuldade nesta brincadeira de separar as tais 37 peças é equilibrar as partes de baixo com as partes de cima. Dá para notar por esta foto acima que sou uma pessoa que realmente preza pela coordenação de cores: tudo rosinha e vinho, e umas ilhas de bom senso de algumas outras cores. Fora as formas de cintura que não combinam com as formas de blusa - um monte de blusinha soltinha, um monte de saia sem a cintura exatamente marcadinha.

E gente, meu trabalho é meio isso - vestir outras pessoas, mesmo que seja figurino e não vida real. É aquela história - casa de ferreiro, espeto de pau. Eu morria de preguiça de um dia fazer isso, mas fiz: uma lista no excel com todas as peças que tenho. Nem eu acredito!! Sim, eu abri o armário e listei todas as peças, e não só isso .... eu as classifiquei! E descobri algumas coisas interessantes neste processo.


Sempre me gabei de ter poucas roupas, e achava que seria super fácil chegar nas 37 peças. Ledo engano! Mesmo depois de sucessivos limpas no guarda roupa - antes de fazer esta lista, eu já havia tirado mais uma boa sacola de roupas (isso vicia viu gente) e ainda assim tenho cerca de 76 peças "em atividade", incluindo sapatos. Isso sem contar pijama, roupa de ginástica ou "de ficar em casa", tenho muuuuita roupa de ficar em casa - como gosto de chamar, molambo, que nem entrou nesta conta. Roupa de fazer faxina, de passear com a cachorra, de fazer "arte", leia-se: "sujeira", tingir, sujar, pintar, envelhecer, encafofar todo tipo de coisa. Roupa gostosa de usar, mas impossível de sair na rua, dá vergonha até de doar.

E o que eu descobri sobre as minhas roupas ?

Que além de ter muito mais coisa que eu achava que tinha, a maior parte das minhas roupas é comprada em loja mesmo. Em segundo lugar, vem roupas que ganho de presente, principalmente da minha querida sogra (beijoooo pra sogrita). Em terceiro lugar, brechó, seguido de roupas que troquei, depois as que mandei fazer e por último as duas únicas peças de roupas que eu mesma fiz.


sim, eu fiz um gráfico sobre a origem das minha roupas. me julguem

Tenho muita roupa que faz o mesmo papel, na mesma cor - por exemplo, três blusas sem manga, da mesma cor. Também descobri que as roupas que mais tenho dificuldade de desapegar são as poucas que mandei fazer ou garimpei em brechó. Pode não me servir mais nem ter nada a ver com o meu estilo, ou já estar véinha, eu lembro de quando mandei fazer, da conversa que tive com a costureira, da historia da peça.

Ainda estou bem longe das tais 37 peças, tenho certeza que o meu armário cápsula vai ser beeem diferente do da Caroline - Un-Fancy ( a grande "autoridade" nesta historia de cápsula). Mas acho que a graça da brincadeira tá justamente aí, em adaptar / adaptar / adaptar e fazer isso funcionar para você. Gosto muito deste post da Emma (A Beautiful Mess), do ínicio deste ano, em que ela fala um pouco sobre isso, sobre como fazer um exercício fashion funcionar para você, com o objetivo de se sentir grata com as coisas que já tem. Ela explica sobre o sistema "do laço", em que você deixa uma fita amarrada antes das roupas dentro do guarda roupa. Toda vez que você usa uma peça, você a coloca depois do laço, e só pode voltar a usá-la quando tiver usado todas as roupas anteriores, como uma maneira de usar tudo que você tem e deixar bem claro quais são as peças que você usa pouco. Mais ou menos assim:

o tal  "método do laço" - imagem daqui

E se você quer ficar por dentro desta história de armário cápsula, eu recomendo ler todos os posts da Gabi sobre o assunto no blog Teoria Criativa. A Ana, do Hoje Vou Assim Off  também fez uma linkagem super completa com várias fontes, vale a pena conferir todos os links.

Estas foram minhas primeiras descobertas depois de um olhar mais crítico pras minhas roupas, ainda não decidi que peças separar para a brincadeira, mas prometo registrar tudo por aqui.

E vocês, já tentaram fazer algo parecido ?
O que as coisas que vocês tem no armário contaram sobre vocês ?

Vídeo: Unboxing Happy Mail




Resolvi fazer um unboxing do HappyMail da edição de maio, porque é simplesmente tudo muito fofinho e quando eu abro o envelope é um derramamento de interjeições de fofura por aqui, então achei que seria divertido dividir com vocês. E também falo sobre ter sido taxada pelos correios, coisa que já aconteceu nos últimos dois meses com o Happy Mail, e indico a leitura deste post do blog do Jotacê (de colecionadores de edições de blu-ray, indicado pelo meu namorado colecionador). 

Olhaí mais um vídeo no Canal da Creyssa no Youtube! E pode se inscrever agora mesmo por lá que vem vindo uma boa leva de conteúdo youtúbico, agora ninguém segura! 


Para dar um gostinho, um pouquinho desta edição de maio, que recebi no final de junho, tive que ir buscar e pagar a taxa no correio. Mas tudo bem, tá lindo, tem um monte de dourado e cada edição fica mais linda!



meus favoritos

meu favorito de todos!

Depois me contem aqui ou lá no Youtube o que acharam do vídeo e da edição de maio Happy Mail, se você tem um favorito do pacote =)